domingo, 8 de julho de 2012

Como descobrir o meu estilo próprio?


Eu já ouvi durante toda a minha adolescência pessoas dizendo que "modinha", tribos ou comovocêquiserchamar é coisa de quem não tem personalidade e é sempre motivo de zuação se você diz fazer parte de certo grupo. Muita gente ainda sofre com isso nas escolas, ou na rua, por experimentar coisas diferentes. Seja um cabelo colorido ou uma roupa customizada o brasileiro ainda têm certa repulsa ao aceitar. Eu já passei por isso, e sei bem como é chato ser reprimido por fazer o que te deixa bem, só porque os outros não gostam. Hoje em dia, como eu ainda tenho um contato muito direto com os adolescentes, eu vejo que esse drama ainda continua. Vários meninos já vieram falar comigo que morrem de vontade de usar peça X ou cabelo X mas têm medo de sofrer preconceito na escola, ou até mesmo em casa. Pórem, você nunca irá se descobrir se você não experimentar, certo?

É muito fácil pra alguém dizer que todo mundo precisa de uma identidade visual única, o tão falado estilo próprio, sem seguir tendências ou grupos. O problema é quando essa "exigência" de ter o próprio estilo chega na época que você ainda não se conhece direito e tem opiniões e gostos mudando a todo minuto. Na adolescência. Ser julgado por não se conhecer, com tão pouco tempo de vida é meio injusto. Sem falar que, geralmente, as pessoas que chegam com esse tipo de critica são pessoas iguais, sem personalidade. Mas acreditam que são superiores só porque fazem parte de um padrão que é aceito no Brasil. Meninos que usam a mesma Abercrombie, frequentam a mesma acadêmia, ouvem as mesmas músicas, assistem os mesmos filmes... Zzzz... A sociedade preconceituosa, a qual nós ainda vivemos em pleno 2012 ft. fim do mundo, acaba fabricando mais e mais zumbis que não vão deixar essa situação mudar tão cedo aqui no Brasil. Portando, ligue o FODA-SE e faça o que você têm vontade de fazer enquanto você ainda é jovem.


Eu, o Daniel e MUITOS outros amigos (que hoje em dia não trabalham com nada ligado a moda) já fomos do emo ao Hippie sujo, do Gótico ao Indie. Sempre absorvendo e filtrando tudo que cada grupo tem de interessante. Sem pressão e sempre ignorando os trolls que existem por aí. Pode ter certeza que gente pra te criticar terão as montes por aí, mas pra pagar suas contas não vai ter não, viu? E isso nos ajudou muito na hora de trabalhar com moda. A nossa visão é muito mais ampla e sem falar que temos um conhecimento mais profundo sobre alguns estilos - Já que nós vivenciamos ele.

APROVEITE SUA FASE de descobertas. Como diria o Daniel, com tanta opção disponível por aí, porque se contentar com só uma? (Frase TMC, rs!). Customize aquela camiseta que você ganhou de natal e odiou, ouça sem preconceito todo tipo de música que alguém te indicar, seja punk, emo, gótico, Indie, patty, straigt edge, colorido, hipster, hippie (…) se tiver vontade de ser. Experimente, sempre absorvendo tudo que há de melhor de cada experiência. Você pode morrer de vergonha daqui alguns anos de tudo que você já fez, mas pelo menos você FEZ!


Descobrir o próprio estilo é algo que pode demorar anooooos luz ou até mesmo nunca acontecer, mas mesmo que você no futuro você não tenha um estilo totalmente definido, você vai poder falar do que gosta e não gosta com convicção de quem já experimentou pra saber. Não dá pra falar mal sem conhecer. Não tenha medo de ousar! Preconceito você vai sofrer por qualquer motivo durante toda a sua vida. Se você deixar de fazer o que tem vontade pelo medo do que as outras pessoas vão pensar/dizer, você vai morrer sem se conhecer e sem conhecer o prazer das descobertas.

8 comentários:

  1. Já presenciei experiência do tipo. Até hoje meus colegas me criticam porque uso uma calça verde. Tenho que ouvir apelidos do tipo ''restart, cemig e abacate''. Bom post!

    ResponderExcluir
  2. Super amei, sou daqueles que usa os estilos conforme o dia, às vezes mais groove black street sneaker, outras mais rock classic indie boots,ou também color jeremy scott funny boyish. Com um pitada de humor, não se levar a sério demais, tudo é possível...bem tem que coisas que aos vinte anos, não pra usar hoje aos... Bjs

    ResponderExcluir
  3. Sem mais, adorei a matéria! Diz o que muita gente deveria ouvir! só ta faltando a opção "curti mil vezes"

    ResponderExcluir
  4. Gostei do depoimento.
    Ainda existe muito preconceito.
    Como você disse: "Pessoas se tornam zumbis".

    ResponderExcluir
  5. gnte gostei muito eu vi o blog ainda agora e ja amei eu tava vendo no youtube com fazer seu short dye e abri o blog continuem esse belo e magnifico trabalho

    ResponderExcluir
  6. gnte gostei muito eu vi o blog ainda agora e ja amei eu tava vendo no youtube com fazer seu short dye e abri o blog continuem esse belo e magnifico trabalho

    ResponderExcluir